Bem-estar no ambiente de trabalho em escolas de enfermagem brasileiras

  • Sergio Valverde Marques dos Santos Universidade de São Paulo
  • Maria Lúcia do Carmo Cruz Robazzi Universidade de São Paulo
  • Rita de Cássia de Marchi Barcellos Dalri Universidade de São Paulo
  • Vanessa Augusto Bardaquim Universidade de São Paulo
  • Joab Jefferson da Silva Xavier Universidade de São Paulo
  • Luiz Almeida da Silva Universidade Federal de Goiás
  • Fabiana Cristina Taubert de Freita Universidade Ribeirão Preto
  • Emiliane Moreno Vichnewski Universidade de São Paulo

Resumen

Objetivo: Avaliar o bem-estar no trabalho de docentes e técnico-administrativos em Escolas de Enfermagem de Universidades públicas brasileiras. Materiais e Método: Estudo descritivo, transversal, quantitativo, com 69 participantes de cinco instituições universitárias. A coleta dos dados ocorreu em 2015-2016. Utilizou-se um questionário semiestruturado para caracterização da população além da Escala de Bem-Estar no Trabalho, Escala de Suporte Organizacional Percebido e Escala de Oportunidades do Trabalho. Para a análise estatística descritiva utilizou-se o software Statistical Package for the Social Science versão 17.0, sendo os dados apresentados por meio de valores absolutos e percentuais. Resultados: Os participantes foram, majoritariamente, do sexo feminino, com 18 a 29 anos, solteiros e com renda mensal de 453,87 a 907,14 dólares. Com relação à categoria profissional, 69,5% eram técnico-administrativos e 30,5% docentes. A maioria dos entrevistados trabalhava até 40 horas semanais e 50% possuíam outro vínculo empregatício. Avaliando o bem-estar laboral identificou-se que a maioria dos trabalhadores estava moderadamente alegre, entusiasmada e desenvolvia habilidades importantes. Porém, o trabalho também deixou parte dos trabalhadores irritados, chateados e impacientes. Ao avaliar o suporte organizacional constatou-se que 55,9% referiram que a Instituição mantém coerência entre diretrizes, metas e ações. Com relação às oportunidades no trabalho a maioria respondeu executar atividades que os agrada. Conclusão: Faz-se necessário oferecer apoio ao desenvolvimento pessoal e laboral dos docentes e trabalhadores técnico-administrativos, contribuindo para o bem-estar no trabalho do servidor público de universidades brasileiras.

Palabras-chave: Qualidade de Vida, Docentes, Trabalhadores, Enfermagem, Condições de trabalho.

Biografía del autor/a

Sergio Valverde Marques dos Santos, Universidade de São Paulo

Enfermeiro, Mestre, Doutorando em Ciências pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.  Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Maria Lúcia do Carmo Cruz Robazzi, Universidade de São Paulo

Enfermeira, Professora Titular da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Rita de Cássia de Marchi Barcellos Dalri, Universidade de São Paulo

Enfermeira, Pós-Doutora pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo.  Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Vanessa Augusto Bardaquim, Universidade de São Paulo

Enfermeira, Doutoranda da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Joab Jefferson da Silva Xavier, Universidade de São Paulo

Doutor pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Luiz Almeida da Silva, Universidade Federal de Goiás

Enfermeiro, Professor Adjunto da Universidade Federal de Goiás – UFG, E-mail: , Catalão, Goiás, Brasil.

Fabiana Cristina Taubert de Freita, Universidade Ribeirão Preto

Fisioterapeuta, Doutorada, Professora da Universidade Ribeirão Preto - UNIP. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Emiliane Moreno Vichnewski, Universidade de São Paulo

Enfermeira, Mestranda da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil.

Citas

Santos GB, Ceballos AGC. Bem-estar no trabalho: estudo de revisão. Psic Estudo. [Internet] 2013. [Acesso em 12 dez 2017]; 18(2): 247-55. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=287128992006

Paschoal T, Demo G, Fogaça N, Ponte V. et al. Bem-estar no trabalho: cenário dos estudos brasileiros publicados na primeira década do novo milênio. Portugal. Tourism & Management Studies [Internet] 2013. [Acesso em 20 ago 2017]; 2:383-95. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=388743875002

Oliveira JM, Santos PF, Feliciano RG, Assis MM, Cortez EA, Valente GSC. Riscos e doenças ocupacionais do docente universitário de enfermagem: implicações na saúde do trabalhador. R. Pesq. Cuid Fundam Online. [Internet] 2013. [Acesso em 12 fev 2017]; 5(1):3267-75. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=686267&indexSearch=ID

Mendonça H, Ferreira MC, Caetano A, Torres CV. Cultura Organizacional, Coping e Bem-Estar Subjetivo: um Estudo Com Professores de Universidades Brasileiras. Rev Psicol Organ Trab. [Internet] 2014. [Acesso em 20 abr 2017]; 14(2):230-44. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpot/v14n2/v14n2a09.pdf

Bernardo MH. Produtivismo e precariedade subjetiva na universidade pública: o desgaste mental dos docentes. Psic & Socied. [Internet] 2014. [Acesso em 20 abr 2017]; 26(n.spe.): 129-39. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/3093/309331565014/

Vilas Boas AA, Morin EM. Indicadores de qualidade de vida no trabalho para professores de instituições públicas de ensino superior: uma comparação entre Brasil e Canadá. Rev Contextus. [Internet] 2016. [Acesso em 02 Jul 2017]; 14(2):170-98. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/ri/bitstream/riufc/22475/1/2016_art_aavboas.pdf

Pego ZO, Soares MG. O estresse ocupacional de servidoras técnico- administrativas. Rev Alcanc. Universidade Vale do Itajaí. [Internet] 2016. [Acesso em 01 out 2017]; 23(2): 156-69. Disponível em:http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=477749648004

Gonçalves PB, Santos MR, Chaves MR, Silva AV. O contexto histórico das universidades federais no Brasil e a participação de docentes, discentes e técnicos administrativos no processo de tomada de decisão nessas instituições públicas. p.190-97. In: Anais do Simpósio de Metodologias Ativas: Inovações para o ensino e aprendizagem na educação básica e superior [= Blucher Education Proceedings, v. 2, n. 1]. São Paulo: Blucher, [Internet] 2017. [Acesso em 05 jan 2018]. Disponível em: DOI 10.5151/sma2016-017

Nunes TS, Tolfo SR. Assédio moral no trabalho: consequências identificadas por servidores docentes e técnicos administrativos em uma universidade federal brasileira. Revista GUAL. 2012[Acesso 15 dez 2017]; 5(3): 264-86. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=319327516014

Paschoal T, Tamayo A. Construção e validação da Escala de Bem Estar no Trabalho. Rev Aval Psic. 2008; 7: 11-22.

Tamayo MR, Pinheiro FA, Tróccoli BT, Paz MGT. Construção e validação da Escala de Suporte Organizacional Percebido (ESOP) [Resumo]. Em sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (ORG), 52ª Reunião Anual da SBPC, Resumos (CD-Rom). Brasilia: SBPC, 2000.

Borsoi ICF. Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cader Psic Social Trabalho [Internet] 2012. [Acesso em 10 Jul 2018]; 15(1): 81-100.

Disponível em: https://www.revistas.usp.br/cpst/article/view/49623

Maués O. A reconfiguração do trabalho docente na educação superior. Educar Rev. [Internet] 2010. [Acesso10 Jul 2018]; 1(esp): 141-160. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/nspe1/07.pdf

Pereira MAS, Motta EC, Vaz AL, Pinto C, Bernardino O, Melo AC, et al. Sucesso e desenvolvimento psicológico no Ensino Superior: Estratégias de intervenção. Análise Psic. [Internet] 2006. [Acesso 10 Jul 2018]; 1(24):51-9. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312006000100006

Freitas ALP, Souza RGB, Quintella HLM. Qualidade de Vida no Trabalho do técnico-administrativo em IES públicas: uma análise exploratória. Rev Bras Qual vida. [Internet] 2013. [Acesso 06 fev 2018]; 5(2):01-12. Disponível em: https://portaldeinformacao.utfpr.edu.br/Record/oai:periodicos.utfpr:article1382/Description#tabnav

Doneda E, Selow MLC. Motivação ao servidor público. Vitrine Prod Acad. 2016; 4(1): 168-77.

Fischer R, Ferreira MC, Assmar EML, Baris G, Berberoglu G, Dalyan, F, et al. Organizational practices across cultures: An exploration in six cultural contexts. Intern Journal Cross Cult Manag. [Internet] 2014. [Acesso em 20 dez 2017]; 14: 105-25. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1177/1470595813510644

Dessen MC, Paz MGT. Bem-Estar Pessoal nas Organizações: O Impacto de Configurações de Poder e Características de Personalidade. Psic Teor e Pesq. Brasília. [Internet] 2010. [Acesso em 15 Jan 2018]; 26(3): 549-556. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ptp/v26n3/a18v26n3.pdf

Araújo LMN, Santos VEP, Martins CCFM, Dantas, MSP, Santos, NP, et al. Estresse no cotidiano universitário: estratégias de enfrentamento de docentes da saúde. Rev Fund Care. [Internet] 2016.[Acesso em 20 dez 2017]; 8(4): 4956-64. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i4.4956-4964

Peterson M, Wilson JF. The culture-work-health model and work stress. American J Health Behavior. [Internet] 2002. [Acesso 20 em dez 2017]; 26:16-24. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11795601

Paschoal T, Torres CV, J Porto JB. Felicidade no trabalho: relações com suporte organizacional e

suporte social. RAC. [Internet] 2010. [Acesso 10 em jul 2018]; 14(6):1054-72. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/840/84015139005/

Caran VCS. Riscos psicossociais e assédio moral no contexto acadêmico. [dissertação]. 2007. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. [Acesso 10 jul 2018]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-07012008-134033/

Almeida AM. Os transtornos mentais comuns entre estudantes de medicina. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2007; 56(4):245-251.

Silvério KCA, Gonçalves CGO, Penteado RZ, Vieira TPG, Libardi A, Rossi D. Ações em saúde vocal: proposta de melhoria do perfil vocal de professores. Pró-Fono R. Atual. Cient. 2008: 20(3):177-182.

Brandão MP, Pimentel FL, Cardoso MF. Impact of academic exposure on health status of university students. Rev Saúd Púb. [Internet] 2011. [Acesso 10 jul 2018]; 45(1): 9-58. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102011000100006

Gabriel AS, Tristão CK, Izar LC, Pina SEM, Franzin LS, Ribeiro DJ, et al. Consumo de álcool e drogas ilícitas entre estudantes de medicina, biologia e enfermagem. Rev Fac Ciên Méd Sorocaba. [Internet] 2004. [Acesso 10 jul 2018]; 6:30-7. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/311

Areias MEQ, Guimarães LAM. Gênero e estresse em trabalhadores de uma universidade pública do Estado de São Paulo. Psic Estudo. [Internet] 2004. [Acesso 10 jul 2018]; 9(2):255-262. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v9n2/v9n2a11

Flores E, Iblin E, Luis, MAV. Uso y actitudes relacionados a las drogas en las estudiantes de enfermería de la Universidad Mayor de San Andrés. Rev Latino-Am Enf [Internet]. 2004[Acesso 10 jul 2018]; 12(spe):376-82. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010411692004000700012&lng=en&nrm=iso .

Rodriguez Gazquez MA, Pineda Botero SA, Velez Yepes LF. Características del consumo de tabaco en estudiantes de enfermería de la Universidad de Antioquia (Colombia). Invest y Educ en Enfer [online]. 2010 [Acesso 10 jul 2018]; 28(3):370-383. Disponível em: http://bibliotecadigital.udea.edu.co/handle/10495/5123

Loiola ESC, Alves HMC, Siqueira MMM. Relação entre percepção de justiça e bem-estar no trabalho em profissionais brasileiros. Rev Psic Saúde e Doenças. [Internet] 2017. [Acesso em 10 jan 2018]; 18(1): 85-90. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/362/36250481007.pdf

Cómo citar
Valverde Marques dos Santos, S., do Carmo Cruz Robazzi, M. L., de Marchi Barcellos Dalri, R. de C., Augusto Bardaquim, V., da Silva Xavier, J. J., Almeida da Silva, L., Taubert de Freita, F. C., & Moreno Vichnewski, E. (2019). Bem-estar no ambiente de trabalho em escolas de enfermagem brasileiras. Revista Ciencia Y Cuidado, 16(2), 8-20. https://doi.org/10.22463/17949831.1611

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
2019-05-01
Sección
Artículos de Investigación